Primeiro brinquedo para bebês: veja os mais indicados

6 minutos para ler

Sempre que pensamos em crianças, lembramos dos brinquedos, afinal, eles têm um papel importante na vida dos pequenos. Eles ajudam a estimular a criatividade, o trabalho motor, permitem o amadurecimento das emoções e o desenvolvimento cognitivo.

Muitas vezes, o primeiro brinquedo vem junto com o enxoval do bebê. Afinal, com tanta coisa fofa, dá vontade de comprar tudo, não é mesmo? De qualquer forma, é preciso saber escolher bem para que a criança tenha a melhor experiência e os pais sintam-se tranquilos com a sua segurança.

Se você está em dúvida sobre qual é a melhor escolha, confira este artigo que explica quais são os critérios mais importantes na hora de decidir.

Como escolher o primeiro brinquedo do bebê?

Estimular o bebê é muito importante, mas é preciso respeitar as necessidades de cada fase. O excesso de estímulos pode prejudicar o seu desenvolvimento, afinal, os pequenos precisam de uma rotina intensa de sono e descanso.

Peças como os móbiles coloridos, ou que tenham algum tipo de movimento, estimulam os sentidos e são muito bem vindos como um primeiro brinquedo. Claro que o bebê não brincará com ele de imediato, mas, desde recém nascidos, eles já conseguem perceber as cores e a movimentação, demonstrando bastante curiosidade.

É muito importante escolher um item que seja adequado à faixa etária do bebê, dessa forma, os benefícios serão maiores e você terá a certeza de que fez uma boa escolha. As lojas costumam ter setores específicos para cada idade e os brinquedos precisam mostrar essa informação nas embalagens e etiquetas. Na dúvida, procure alguém da loja e peça orientação.

Quais são os brinquedos adequados para os primeiros 6 meses?

Os primeiros meses de vida são voltados para a adaptação da criança a esse novo mundo. São muitas descobertas entre sons, cheiros e cores. Nessa fase, as interações são quase acidentais — lembra quando ele agarrou seu cabelo pela primeira vez? —, e tudo vai parar na boca.

Justamente por ser conhecida como a fase oral da criança, os mordedores são uma ótima opção de primeiro brinquedo. Eles ajudam a “saciar” a necessidade de estímulo, além de aliviar o desconforto causado pelo nascimento dos primeiros dentinhos.

Nessa fase da vida elas aprendem rápido e também são capazes de imitar gestos e pequenas ações de quem está por perto. Logo descobrem que são o centro das atenções e estão fazendo sucesso, e passam a repetir o comportamento.

A maneira de manifestar as emoções é por meio do movimento dos braços e pernas, além de demonstrar interesse por objetos, tentando alcançá-los rolando ou se arrastando. Por isso, aposte em um tapete de atividades, ele é um verdadeiro playground para os bebês.

Os barulhos também são muito importantes nessa fase. A criança já é capaz de reconhecer sons familiares e a direção de onde eles vêm. Peças que façam algum tipo de ruído, como os chocalhos, contribuem muito para o seu desenvolvimento.

Bichinhos de tecido macio e atóxico também estão na lista. Além de serem fofinhos, eles trazem conforto para os pequenos e são ótimos para ocupar as mãozinhas que tudo querem agarrar.

A partir do sexto mês ele começa a interagir mais e é capaz de sentar-se com apoio ou buscar objetos que caem das mãos. Apesar de ainda demonstrarem interesse pelos primeiros brinquedos, já têm desenvolvimento motor e cognitivo melhor e podem se interessar por blocos de empilhar, livros de tecido e objetos que ele possa ligar e desligar.

Como garantir a segurança das crianças?

Há alguns aspectos que são essenciais na hora de escolher, e evitam que você compre um brinquedo que poderá se tornar uma dor de cabeça no futuro.

Faixa etária

A primeira coisa a se observar é a idade da criança, claro. A faixa etária deve estar indicada de forma bem visível. Mas, por que isso é tão importante? Já vimos que os bebês tendem a levar tudo à boca, certo? Brinquedos que contenham peças pequenas ou que se soltem com facilidade podem colocar sua segurança em risco.

Itens com partes pontudas ou confeccionadas em materiais duros podem causar dano físico sem querer. Como o bebê ainda não tem coordenação motora suficiente, ele pode tocar o corpo com muita força e se ferir.

Certificação

Muita atenção ao ler a embalagem. O brinquedo precisa ter o selo do Inmetro, garantido que as normas de qualidade e segurança exigidas foram respeitadas. Não é à toa que os órgãos reguladores existem, são eles que dão tranquilidade à sua escolha!

O rótulo precisa conter as informações necessárias para identificar quem é o fabricante, qual o prazo de validade, o material em que foi confeccionado, intensidade dos sons que produzem e os termos de garantia. “Olhos de lince” nessas informações, hein? Elas garantirão o seu sossego e a segurança do seu bebê.

Composição e material

Brinquedos muito barulhentos podem assustar a criança, além de prejudicar a audição — isso sem falar da paciência dos pais —, portanto, não exagere nesse estímulo. Brinquedos com cheiro ou gosto de comida podem confundir os pequenos e devem ser evitados. 

O material usado precisa ser adequado para a idade e não ter componentes tóxicos que possam colocar a saúde da criança em risco. Apesar de serem macios, eles devem ser confeccionados em material que não solte pedaços ou tinta, e que a criança possa engolir acidentalmente.

Inspeção visual

Todo cuidado com o bebê é pouco. Por isso, sempre que possível, verifique as condições do item e preste atenção se não há peças que possam se soltar facilmente e acabar na boquinha ávida do pequeno. Verifique também se a textura é agradável e se a peça não apresenta cantos pontudos.

Nos primeiros meses de vida de uma criança, a curva de aprendizado é muito acentuada. Cada estímulo é uma nova descoberta, por isso, o primeiro brinquedo é tão importante. Ele é uma valiosa conexão com esse novo mundo e uma grande contribuição para seu desenvolvimento. 

Quer conhecer um mundo de possibilidades para o seu neném? Visite a página da Ri Happy bebês e encontre tudo que você nem sabia que precisava!

Posts relacionados

Deixe um comentário