Suco para bebê: quando oferecer para a criança? Entenda!

6 minutos para ler

Alimentar uma criança é uma experiência incrível, tanto para os pais quanto para os pequenos. As expressões de surpresa, a descoberta dos sabores, texturas e aromas podem render boas experiências e muito aprendizado. Mesmo assim, é natural ter um pouco de insegurança sobre o momento de introduzir cada tipo de comida.

Frutas e alimentos saudáveis são altamente recomendados, mas precisam fazer parte da dieta da criança no momento certo. Há um consenso mundial em que não é recomendado oferecer suco para bebê até os 12 meses. Contudo, as entidades são unânimes em dizer que até os 6 meses ele não deve consumir nenhum outro tipo de alimento além do leite materno.

Descubra quais são as principais recomendações e qual o impacto que os sucos podem ter no desenvolvimento do seu bebê.

O que os especialistas falam sobre dar suco para o bebê?

O consenso geral é de que não se deve dar esse alimento antes dos 12 meses e, após essa idade, a quantidade deve ser limitada a 100ml diários, desde que sejam feitos da fruta natural, sem adição de açúcares e não interfiram nas refeições principais. Contudo, o ideal é oferecer a fruta in natura.

A Sociedade Brasileira de Pediatria, na verdade, não recomenda o uso de sucos na introdução alimentar, mas entende que ele pode ajudar na absorção de nutrientes, como o ferro, se oferecido em pequenas quantidades após a refeição. A orientação é de que ele seja servido em copos e nunca em mamadeiras.

Já a Academia Americana de Pediatria vai um pouco além e afirma que os sucos não oferecem benefícios nutricionais maiores do que as frutas in natura. Eles podem sim fazer parte da alimentação, desde que associados a uma dieta balanceada, em pequenas quantidades e nunca como substituto de refeições ou da água.

As versões industrializadas e artificiais não são recomendadas — apesar da praticidade em consumi-las —, pois concentram uma grande quantidade de açúcares e não contêm os mesmos nutrientes que os sucos naturais e as frutas.

Mesmo para crianças maiores que um ano, a Academia orienta que a ingestão de suco deve limitar-se a 180ml diários e eles não devem ser usados para tratamentos de quadros de diarreia e desidratação.

Lembrando que o consumo em excesso pode ser responsável por distensão abdominal, cólicas e cárie dentária. Segundo os especialistas, pode até contribuir para um quadro de subnutrição e o desenvolvimento futuro de obesidade infantil.

Com qual idade as crianças devem começar a ingerir frutas?

O leite materno é o alimento mais perfeito que existe, além dos nutrientes essenciais para o desenvolvimento do bebê, ele ainda é responsável por proteger a criança enquanto seu próprio sistema imunológico se desenvolve.

Por isso, a orientação dos órgãos de saúde é de que a criança seja alimentada apenas com ele até os 6 meses. Nenhum alimento poderá substituí-lo com a mesma qualidade e nem há a necessidade de complementá-lo.

Após essa idade, a recomendação é introduzir alimentos macios e purês, que não precisam ser mastigados antes de engolir. Portanto, as frutas que podem ser oferecidas dessa forma são muito bem vindas nessa fase.

Quais os benefícios da fruta in natura em comparação ao suco?

A fruta é rica em vitaminas e fibras importantes no processo digestivo, pois facilitam o trânsito intestinal e reduzem a absorção dos açúcares. Os sucos, por sua vez, contêm esses nutrientes em quantidades bem menores e concentram muito mais frutose.

Outro benefício de oferecer a versão natural para a criança, após a fase de amamentação, é a experiência sensorial. Dessa forma, é muito mais fácil estimular o paladar, o olfato e até o tato, quando ela tem contato com os pedacinhos do alimento. As cores e texturas também contribuem para o aprendizado e desenvolvimento do pequeno.

Do ponto de vista motor, consumir os alimentos em purês rústicos ou porções ajuda a exercitar as funções de mastigação e deglutição, extremamente importantes para o desenvolvimento. Se ela se acostumar com a facilidade de alimentos líquidos ou muito pastosos poderá, no futuro, desenvolver dificuldade com a alimentação sólida. 

A introdução do suco para bebê pode também aumentar a saciedade e interferir nas refeições, fazendo com que a criança deixe de se alimentar de forma correta. O uso de mamadeiras também pode prejudicar a amamentação e levar ao desmame precoce.

Quais os cuidados durante a introdução alimentar?

Depois do sexto mês, o sistema digestivo já se desenvolveu o suficiente para digerir a comida e o sistema imunológico do bebê teve tempo de se fortalecer, caso precise se defender de alguma infecção ou alergia decorrentes dos novos alimentos.

De qualquer maneira, é bom começar devagar. Nós sabemos que dá vontade de oferecer de tudo, não é mesmo? Contudo, procure apresentar os alimentos de maneira regular, mas um de cada vez. Dessa forma, será mais fácil perceber caso ela tenha alguma reação alérgica.

Os horários não precisam ser rígidos, mas o ideal é respeitar um intervalo de duas a três horas entre uma refeição e outra. É bastante comum que os pequenos façam caretas e rejeitem alguns alimentos no início, afinal, são sabores e texturas completamente novas.

Não desista logo de cara, especialistas afirmam que uma criança precisa experimentar um alimento de 8 a 10 vezes antes de aceitá-lo. Não precisa forçar, mas não deixe de apresentá-lo de novo só porque o bebê torceu o nariz da primeira vez.

Algumas crianças aceitam a novidade mais facilmente, ao passo que outras demoram um pouco mais para se adaptar. Lembre-se de começar com papinhas amassadas e depois evoluir para pedaços maiores.

Deixe que a criança tente comer sozinha, segure a colher ou pegue a comida com as mãos, mesmo que isso signifique roupas manchadas e um chão cheio de migalhas. Nada que a máquina de lavar e um pano úmido não possam resolver.

Aproveite esse momento de descoberta para criar um vínculo com ela e se divertir. Deixe o celular preparado, porque toda essa experiência vai deixar lembranças que merecem ser guardadas. E quanto ao suco para bebê? Ele não fará nenhuma falta, acredite!

Ainda tem dúvidas sobre essa fase importante do seu bebê? Dá uma olhadinha nessa matéria sobre como introduzir os alimentos!

Posts relacionados

Deixe um comentário