Teste do pezinho: você conhece esse exame importante?

7 minutos para ler

Já ouviu falar de triagem neonatal? O mais provável é que sim, mas não com esse nome. Isso porque esse exame, que é obrigatório em todo o país por conta de lei nº 8.069/90 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), ficou conhecido como teste do pezinho — o que, cá entre nós, é um nome bem mais fácil de memorizar, não é mesmo?

Muita gente sabe, por exemplo, que ele é aplicado em um dos pés do bebê (daí vem o nome que tanto se popularizou) e que serve para identificar antecipadamente algumas doenças nas crianças. Mas você sabe dizer como ele realmente funciona, quando deve ser realizado e quais os problemas de saúde que diagnostica?

Se a resposta foi não, pode se tranquilizar. Neste post, nós vamos falar sobre tudo isso, explicando os detalhes que os pais de primeira viagem precisam saber a respeito do exame e da importância dele. Acompanhe com atenção!

O que é o teste do pezinho e para que ele serve?

O teste do pezinho nada mais é do que um exame de coleta de sangue feito em bebês que nasceram há pouco tempo. O objetivo dele é muito simples: identificar ainda cedo a existência de doenças crônicas e hereditárias antes que elas comecem a afetar o organismo dos pequenos e, com isso, apareçam um ou mais sintomas físicos.

Ou seja, problemas de saúde que são herdados geneticamente ao longo das gerações (pais, avós, bisavós etc.) — mesmo que não apareçam em várias delas — e que perduram ao longo da vida, muitas vezes, sem cura.

Como o teste do pezinho funciona?

O teste, que é feito em menos de cinco segundos, coleta uma pequena quantidade de sangue em um papel filtro que será encaminhado para um laboratório especializado. Nele, é feita uma triagem para avaliar não só a presença, mas também a quantidade de proteínas, aminoácidos e enzimas no sangue do seu neném.

Caso os dados obtidos estejam abaixo daqueles usados como referência pelos biomédicos, é detectada a existência de uma ou mais doenças. O resultado do exame é liberado de acordo com cada laboratório. No entanto, a grande maioria o disponibiliza entre uma e duas semanas.

Quais doenças são diagnosticadas pelo teste do pezinho?

Como já foi dito, o teste do pezinho é importante para diagnosticar uma série de doenças crônicas. Abaixo, nós listamos quais são elas para que você conheça cada uma e alguns dos principais sintomas delas. Veja!

Hipotireoidismo congênito

Como o nome já sugere, é uma disfunção que se desenvolve na tireoide (localizada no pescoço) e que altera a capacidade dela de produção hormonal. Isso gera alguns efeitos no organismo, como é caso de problemas respiratórios, sonolência frequente, desidratação da pele e flacidez muscular.

Anemia falciforme

É o nome dado a uma modificação que ocorre no formato das hemácias presentes no nosso sangue, tornando-as incapazes de circular o sangue — e, consequentemente, o oxigênio — de maneira adequada entre tecidos, órgãos e sistemas. Como resultado, isso causa cansaço frequente, inflamações nas extremidades do corpo, palidez excessiva etc.

Fibrose cística

É uma alteração na produção de secreções no organismo, o que provoca obstruções em vários órgãos, como o pulmão, o intestino e o pâncreas. Tudo isso leva a problemas como tosse frequente, diarreia, alteração do peso etc.

Fenilcetonúria

Trata-se de uma incapacidade de metabolização natural da fenilalanina (responsável por dar nome à doença), o que aumenta a quantidade dela no corpo e provoca alterações físicas como convulsões, tremores, dificuldade de coordenação motora, entre outras.

Deficiência de biotinidase

É provocada pela baixa quantidade de biotinidase no corpo humano, uma enzima bastante necessária no metabolismo de vitaminas, proteínas e outros elementos importantes para a saúde. Devido a isso, surgem problemas como queda de cabelo, hiperventilação e irritações e inflamações na pele.

Hiperplasia adrenal congênita

É uma disfunção na região das glândulas suprarrenais que causa um desregulamento na função delas — que é de produção de hormônios, como o cortisol. Entre os sintomas mais frequentes, é comum ocorrer desidratação, constante ganho ou perda de peso, enjoos e também diarreia.

Qual a diferença entre o teste do pezinho básico e o teste do pezinho ampliado?

A versão básica do teste é a que mencionamos até aqui. Ou seja, a responsável por detectar as 6 doenças do tópico anterior. Ela é assegurada gratuitamente em toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS). Porém, nos hospitais particulares de cooperativas e convênios médicos é comum estar disponível o teste do pezinho ampliado.

Embora funcione de forma similar ao outro, ele recebe esse nome porque é capaz de identificar até 60 enfermidades diferentes, como galactosemia, sífilis congênita, metilmalônica, citrulinemia etc.

Quando fazer e qual é a importância de saber o tempo certo?

O recomendado é que o exame (tanto básico quanto ampliado) seja feito entre o segundo e o quinto dia de vida do pequeno. Nunca antes nem depois desse intervalo de tempo.

Isso porque se ele é realizado de imediato ou logo após as primeiras horas do nascimento do bebê, é possível que o resultado seja um falso negativo — já que o teste pode não detectar certos componentes no sangue que indiquem a formação de uma das seis doenças.

Por outro lado, quando esse prazo não é respeitado e o exame só é feito semanas ou até meses depois, há o risco de existir algum problema de saúde, de ele se agravar com o passar do tempo e comprometer o organismo do bebê. Portanto, muita atenção!

O que acontece quando o resultado do teste do pezinho dá positivo?

“E quando o teste do pezinho é feito e dá positivo? O que deve ser feito?”, você deve estar se questionando. Afinal de contas, essa é uma preocupação natural dos pais. Porém, é importante manter a calma e ser paciente, ok?

Isso porque quando há uma alteração detectada no teste — o que também pode ser chamado de resultado positivo —, o médico responsável solicita exames complementares para, de fato, confirmar a existência de alguma doença.

A partir daí, sendo diagnosticada uma ou mais enfermidades que mencionamos, a família é chamada para maiores explicações sobre o problema de saúde em questão (a evolução, as causas, os efeitos etc.) e para dar início a um tratamento precoce — que costuma envolver médicos, nutricionistas, psicólogos e/ou fisioterapeutas.

Com ele, será possível reduzir o avanço da doença, minimizando ao máximo os sintomas, permitindo um melhor desenvolvimento infantil e o principal: garantindo uma maior qualidade de vida para o seu filho.

Como mostrado, o teste do pezinho tem um papel essencial no resguardo da saúde e do bem-estar do seu filho. Portanto, é fundamental fazê-lo para que, se for o caso, você possa tomar as medidas necessárias quanto ao futuro tratamento da doença diagnosticada. É por isso que é indispensável ter uma boa relação com o seu médico obstetra, pois ele vai orientar e dar o suporte preciso sobre esse e os outros testes existentes.

Surgiu alguma dúvida sobre o exame? Pois deixe a sua pergunta nos comentários que vamos estar aqui para esclarecê-las e dar o apoio necessário.

Posts relacionados

Deixe um comentário