Tipos de parto: saiba como escolher o melhor para você

7 minutos para ler

O parto é, certamente, uma experiência inesquecível para toda mulher que o vivencia, um momento intenso a ser vivido pela família e por aqueles com quem a mãe deseja compartilhar essa sensação. Pode-se encarar o nascimento do bebê como um portal no qual a mulher se transforma em mãe.

Mas também é um acontecimento permeado de mistérios, fantasias e alguns mitos, os quais é importante desmitificar para entender. Apesar de o parto ser algo intrínseco da condição humana, o desenvolvimento tecnológico e a evolução social trouxeram novas possibilidades, que permitem que a mãe escolha o que mais lhe agrada e a faça se sentir confortável.

Quer se aprofundar mais sobre os tipos de parto para poder escolher, junto ao seu obstetra, o mais adequado à sua situação? Confira as informações!

Saiba as diferenças entre os partos vaginais e a cesárea

Existem diversos tipos de parto, e é fundamental se informar sobre cada um deles para entender qual é o mais adequado para sua condição de saúde e do seu bebê. As diversas formas de dar à luz são separadas, majoritariamente, em duas formas: partos vaginais e cesárea.

Os partos vaginais se dividem em diferentes possibilidades, com algumas diferenças entre si: domiciliar, dentro da água, no hospital, em casas de parto, com ou sem intervenções médicas na mãe e no bebê. Todos esses métodos acima consideram que a mãe e seu bebê precisam passar por todas as fases do trabalho de parto.

Conheça os principais tipos de parto existentes

Entender em detalhes os tipos de parto é fundamental para que tenha uma conversa aberta com seu obstetra para fazer a melhor escolha. Confira!

Parto Normal

Partos normais são todos aqueles em que o nascimento do bebê acontece pelo canal vaginal da mãe. Ou seja, o seu neném virá ao mundo por meio das suas contrações, que têm a função de expulsar o bebê para fora do útero da mulher.

Esse tipo de parto pode ou não acontecer dentro do hospital, com supervisão e direcionamento médico. Pode envolver intervenções clínicas, como aplicação de anestésicos e analgésicos para alívio de dores.

Também pode envolver indução e aplicação de ocitocina (hormônio que antecipa o trabalho de parto) e uso do fórceps ou ventosa (instrumento que auxilia na retirada do bebê do canal vaginal), caso o médico considere necessário, de acordo com a condição de saúde da mãe. Tudo isso deverá ser previamente conversado com a gestante e autorizado por ela.

A principal vantagem do parto normal é a rápida recuperação da mulher no período pós-parto, pois não envolve procedimentos cirúrgicos.

Parto Humanizado ou Natural

São os partos em que a mãe é a protagonista do evento e dá à luz seu filho dentro das condições desejadas por ela, tendo suas escolhas totalmente respeitadas. Nele, você poderá escolher o ambiente, que poderá ser a sua própria casa, se será dentro ou fora d’água e em uma casa de parto ou no hospital.

Também serão atendidas outras vontades da gestantes como, por exemplo:

  • local do nascimento, incluindo o cômodo da sua casa: banheira, quarto, sala etc.;
  • equipe e pessoas que deverão participar e assistir o momento do parto: filhos, parceiro, família, doula etc.;
  • músicas, massagens, aromas no ambiente e outras coisas que possam trazer mais relaxamento para a mãe nesse momento;
  • respeito ao tempo do trabalho de parto;
  • movimentação do corpo, podendo experimentar e escolher a posição mais confortável durante todo o trabalho de parto.

Esse tipo de parto envolve pouca ou quase nenhuma intervenção médica, ou seja, não há aplicação de ocitocina nem anestésicos para dor, a não ser que essa seja a vontade da mãe e esteja prevista no seu plano de parto.

Parto Leboyer

O parto Leboyer é semelhante ao parto humanizado, no que diz respeito ao tratamento do neném nas suas primeiras horas de vida. Suas características fundamentais, que o diferem do parto humanizado, são que ele envolve a possibilidade de acontecer também no hospital e no parto cesariano.

Suas maiores considerações são em relação a manter o ambiente externo o mais próximo possível da sensação que o bebê tem dentro do útero, para que sua chegada no mundo seja mais pacífica e harmoniosa. Para isso, é importante considerar na chegada do neném:

  • luz baixa para não agredir os olhos;
  • silêncio ou pouco barulho;
  • não dar palmadas assim que o bebê nascer, e sim, realizar massagens que estimulem os pulmões e seu primeiro respiro;
  • cortar o cordão umbilical apenas depois de ele parar de pulsar, para que facilite a transição da respiração;
  • a mãe deverá ser a primeira pessoa tocada pelo bebê e deverá amamentá-lo o mais rápido possível;
  • o primeiro banho deve ser realizado pelo pai, mãe ou família;
  • mantê-lo sempre perto dos pais, para que o vínculo seja construído desde os primeiros dias de vida.

Parto Cesariano

O medo da dor do parto normal e a comodidade desse tipo de parto fazem com que o Brasil seja o país que mais realiza cesáreas no mundo. O parto cesáreo é feito por meio de intervenção cirúrgica, em que o médico obstetra cria um corte de cerca de 10 centímetros no abdômen e no útero, com tamanho suficiente para a retirada do neném.

Apesar de ser escolhido pelas mães por medo dos níveis de dor do parto natural, as cesáreas são cirurgias de médio porte, portanto, devem ser indicadas às gestantes apenas quando há necessidade. Ou seja, o médico deverá analisar todo o estado clínico de saúde da mulher e do bebê durante o pré-natal, para que faça sentido a indicação de um parto cesariano ou não.

Realizada no centro cirúrgico e com uso de anestesias, a cesária deve ser encarada como uma cirurgia, necessitando de cuidados específicos nos períodos pré e pós-operatório. Entre eles, jejum, internação de até 48 horas e repouso pós-cirúrgico.

Caso não haja complicações durante o período gestacional e sua gravidez não seja considerada de risco, a cesária deve ser cogitada com cautela. Lembre-se: mesmo quando a intervenção médica é necessária, é preciso que você esteja ciente de tudo e participe das decisões sobre os cuidados que receberá.

É de extrema importância que você converse com o seu médico sobre todos os tipos de parto. Não sinta vergonha de fazer perguntas, tire suas dúvidas e deixe claros seus desejos e vontades em relação ao tipo de parto que gostaria de ter. 

Um bom profissional deverá sempre ouvir você, fornecer as informações necessárias para auxiliar na sua decisão e respeitar sua vontade. E claro, fazer tudo isso sem colocar sua vida e a do seu filho em risco.

O conteúdo foi esclarecedor para você sobre os diferentes tipos de parto? Compartilhe em suas redes sociais e ajude outras mulheres nessa tomada de decisão tão importante!

Posts relacionados

Deixe um comentário